História Homenagem

Sebastião José Ferreira, o Xameguinho

Uma das grandes personalidades do forró pé-de-serra alagoano e nordestino.

26/06/2020 13h43 Atualizada há 6 dias
276
Por: Phablo Monteiro
Xameguinho no São João de Maceió.
Xameguinho no São João de Maceió.

Em 07 de setembro do ano de 1962, nascia na Fazenda Floresta, na Chã da Jaqueira, município de Atalaia - AL, Sebastião José Ferreira, mais conhecido pelo nome artístico “XAMEGUINHO”, uma das grandes personalidades do forró alagoano e nordestino. 

“Sou de Atalaia, nasci na roça, dentro do mato mesmo. Lá não chegava carro e pra gente ir pra cidade, a gente tinha que ir de cavalo ou a pé. Nessa região só tinha a minha casinha, de palha, chão de barro batido, sem energia e sem água encanada. Meu pai sempre gostou de trabalhar na roça e ainda hoje trabalha, mesmo aposentado. Ele ainda mora no mesmo lugar, um pouco mais distante de onde era e quando posso, sempre vou lá”, comentou Xameguinho, em entrevista para a TV Assembleia.

Filho do agricultor Valdo Maximino, com apenas oito anos de idade ganha do seu pai um presente que mudaria a sua vida: uma sanfona de oito baixos. “Eu e meu pai tentamos aprender a tocar, mas não conseguimos. Era um instrumento muito pobre de harmonia e nessa época não escutávamos musicas, não tínhamos rádio e também eu só pensava em brincar”, lembra Xameguinho. 

Quando tinha 14 anos de idade, seu pai troca a sanfona de oito baixos por uma de 24 baixos (tecla piano). “Quando meu pai chegou com ela eu não tinha noção de música, mas depois comecei a tocar algumas músicas de Luiz Gonzaga, Trio Nordestino e Jackson do Pandeiro. Com um ano depois meu pai trocou a sanfona de 24 baixos por uma de 48 baixos, nesse tempo eu já estava mais seguro por saber tocar alguma coisa, foi quando começaram a me chamar para tocar em casamentos, batizados, guerreiros e pastoris, isso tudo no meu interior de Atalaia”, destaca.

Era o ano de 1978 e fã do programa do radialista Ferreira Junior, da Rádio Palmares, Sebastião nutria o desejo de se apresentar naquele programa, porém, não sozinho, mas sim com o trio do qual participava.

“Não queria dar a esse trio o meu nome, “Sebastião da Sanfona” e um dia antes de ir à Rádio Palmares, em um sábado a tarde, fui para a casa de um amigo e convidei outros amigos para decidirmos o nome do trio. Cada um falava um nome e eu anotava. Logo a filha do meu amigo dono casa falou “TRIO XAMEGUINHO”, daí em descartei as outras sugestões e fiquei com o nome “XAMEGUINHO”. 

No outro dia, no domingo, vai para Maceió e procura a Rádio em que o radialista Ferreira Junior trabalhava, onde ali se apresenta pela primeira vez. “Quando voltei para Atalaia foi aquela festa, todo mundo me elogiando. Na segunda vez em diante fui a Rádio sozinho, sem os componentes do trio. Logo o radialista Ferreira Junior e os amigos começaram a me chamar de “Xameguinho”, então adotei esse nome, isso tudo ocorreu em 1978, a partir daí fiquei frequentando o programa do Ferreira Junior e também outras rádios”, lembra o atalaiense. 

Em 1979, com apenas 17 anos, se despede de sua terra natal e vai morar em Maceió. Foi quando forma um outro trio que se chamava “Os pajés nordestinos” e começa a tocar em boates, casas de show, bar, clubes, festas, eventos e outros. 

“Eu tinha um sonho que era ouvir o som da minha sanfona em um disco (na época era LP) e, em 1987 eu estava no Programa “Forró do meu Brasil” do Ferreira Junior na Rádio Gazeta de Alagoas, quando o cantor Tinan Rodrigues escutando o programa ligou para a rádio e me convidou para gravar o seu primeiro LP, logo depois, fomos para Recife – PE e eu fiquei muito feliz por ter participado da gravação de um LP”, destacou. 

Daí para frente não parou mais de gravar. Gravou outros LPs, CDs, DVDs e músicas com consagrados cantores e bandas: Mano Walter, Chambinho do Acordeon, Kara Véia, Mestre Zinho, Joseane de Josa, Josa Vaqueiro do Sertão, Tinan Rodrigues, Messias Lima, Geraldo Cardoso, Sandoval, Avelino Torres, Ailton Junior, Ailton silva, Belinho, Viola, Perreca, Tito do Gado, Banda forró de Xodó, Banda luz, Josa Vaqueiro do sertão, Zito e Zete, Vavá Machado e Marcolino, Léo e Zito, Toninho Guedes, Dólar do acordeon, Mestre Zinho, João Vilela, Batoré, Marivaldo Aboiador, Grupo Coretifal, Glausso Barbosa, Cicero Almeida, Genival Menezes, Barcelos das Alagoas, Tião Marcolino, Chiquinho do Acordeon, Chico Santos, Benicio Guimarães, Arli Cardoso, Duda Santos, Marcolino, Gaguinho de Pernambuco, os Cowboys de Pernambuco, Josa de Pernambuco, Heleno das Vaquejadas, Galego Aboiador, Antônio Neto Aboiador, Juvenal Lopes, Gil Duarte da Bahia, Toninho do Trio Copacabana, Banda Limão Com Doce, Banda Remelexo, Banda do Fundo do Baú, Banda Chamego Quente, Banda Colar de Ouro, Banda Fogo do Forró, cantor Zuza, Arani do Gado, Zé Mocó, Deo Erê e Hermeto Pascoal (música “Ovo”), Gustavo Gomes, Carlinhos do Nordeste, Arripiado, Os Três Alagoanos, Esmael de Castro, Zé de Castro, Elói, Boi Vaqueiro, Paulo Barbosa, JR e Jó, Max Ball, Daniel Maia, Claudio Rios, Trio Catuaba, Conjunto Mistura Fina, Canarinho do Forró, Trio Alegria do Nordeste, Zé Vãu, Joelson dos Oito Baixos, Chau do Pife, Mestre Gama, Gama Junior, Trio Maceió e tantos outros que o artista não se recorda. 

Também gravou CDs, DVDs e músicas gospel com Amara Barros, Marilyn Caroline, entre outros. 

Na década de 90 viaja cinco vezes para a Europa, onde realiza shows culturais em vários países como: Suíça, Alemanha, Bélgica, França e Itália. 

“Eu também já viajei todo o Nordeste Brasileiro e quase todo o Brasil. Fui ao programa do Jó Soares junto com ex-prefeito Cícero Almeida. Em 2004 participei da abertura do jogo entre a seleção Brasileira e Colômbia, em Maceió-AL”, destaca Xameguinho. 

Compositor, cantor, músico, arranjador, sanfoneiro. Xameguinho também é proprietário do Stúdio Xamego, muito requisitado por artistas alagoanos, sergipanos e pernambucanos. “Atualmente possuo meu próprio estúdio onde faço gravações de muitos artistas de todos os estilos musicais. Também possuo minha própria banda e faço trabalho com outras bandas e cantores. Continuo exercendo as atividades artísticas em todo o Brasil”.

Entre sua vasta discografia, podemos destacar: CD Do Jeito do Meu Coração, Gogó da Ema, 1992; CD Xameguinho – O Original, Produção Independente, 2013; CD  Xameguinho do Arcodeon &  Banda, Produção Independente. 2011; CD Forro e Vaquejada, Produção Independente, 2011; CD  Xameguinho do Acordeon & Forrozão – Só Xamego, Produção Independente. Compôs O Casamento do Pife, com Chau do Pife, e foi gravado no CD Memória dos Pássaros, de Chau do Pife,  Maceió: Gravadora Gogó da Ema, 2001.

Confira as músicas do CD Xameguinho & Banda Forró e Vaquejada Relebrando o Kara Véia:

* Com fotos da ASCOM Prefeitura de Maceió.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias